COBERTURA DO EVENTO – DIÁLOGOS EM RI: ACADEMIA – SOCIEDADE CIVIL – “CRISE POLÍTICA E DEMOCRACIA NO BRASIL: O PAPEL DA MÍDIA”

 

No último dia 14/04 foi realizado na PUC-SP o debate sobre a Crise Política e Democracia no Brasil, considerando o papel de destaque da mídia ao longo do conturbado processo de consolidação democrática do Brasil. O evento contou com o apoio da rede Conexões em Luta e com a presença de convidados ilustres: Paulo Sérgio Pinheiro, Professor Titular de Ciência Política da USP, presidente da Comissão Independente de Inquérito da ONU sobre a Síria e coordenador da Comissão Nacional da Verdade; Ana Claúdia Mielke, jornalista, mestre em Ciências da Comunicação pela ECA-USP e membro da coordenação executiva do Intervozes; Renato Rovai, jornalista, professor da Cásper Líbero e editor da Revista Fórum; e do professor da casa Miguel Wady Chaia, vinculado ao Depto. de Política e Coordenador e Pesquisador no Neamp (Núcleo de Estudos de Arte, Mídia e Política) da PUC-SP. O evento contou com a mediação da professora Elaini Cristina Gonzaga da Silva, do Depto. De RI da PUC-SP e pesquisadora do CEBRAP.

Este foi o primeiro da série Diálogos em RI: academia-sociedade civil, iniciativa coordenada pelo Depto. de RI e pelo PET-RI e cujo objetivo é envolver os universitários, ativistas e o público em geral em temas relacionados ao grande campo das Relações Internacionais por meio dessas vozes fundamentais no debate de questões urgentes.

A exposição do professor Miguel Chaia abriu a mesa. Sua fala propôs uma profunda reflexão sobre as dinâmicas entre a política e a mídia. Segundo ele, a democracia ainda é um projeto político em andamento, sendo próprio dela a instabilidade, e a mídia neste cenário possui um papel eminentemente político, visto que ela entra no jogo político e atua nas correlações de força. Chaia afirma que mídia e política possuem uma dinâmica própria, que se interligam no exercício democrático, mas que vez ou outra entram em conflito. Ele ressalta a importância para a democracia de uma imprensa livre e tão democrática quanto seu regime,  dado que as tecnologias da informação guardam potencialidades antidemocráticas também, sendo necessária uma certa vigilância sobre o jornalismo.

Ele defende a ideia de que a política e os políticos são reféns da tecnologia, e que as tecnologias podem servir aos mais diferentes regimes, como mostra bem o exemplo da utilização da mídia pelo nazismo, que através de discursos criavam um sistema de símbolos eficaz para os interesses do regime. A informação, segundo Chaia, constitui-se como voz de comando da mídia, que através de um conjunto de palavras de ordem tornam a informação um poder. Para ele, o perigo da mídia é guardado no seu potencial em produzir consensos, construindo um imaginário que dificilmente é destituído de algum poder político, devido aos impérios jornalísticos que constituem a grande mídia brasileira.

Logo após a exposição, foi aberta a sessão de comentários para os outros convidados.

A jornalista Ana Claudia Mielke abriu sua exposição fazendo coro às ideias apresentadas por Miguel Chaia e denunciando o papel da mídia na constituição de grupos de poder principalmente no Brasil e na América Latina. Segundo ela, a liberdade de expressão não é garantida a todos porque a mídia é intimamente ligada ao poder político, fazendo com que uma minoria controle os discursos e as informações veiculadas que a maior parte da população consome. Dito isto, a ativista do Intervozes traz em voga a discussão sobre a regulamentação da mídia, defendendo a ideia de que historicamente isto é visto como uma pauta de esquerda, enquanto em países onde a liberdade de expressão é valorizada, existem políticas fortemente consolidadas que visam combater o oligopólio midiático, de forma que a pluralidade de opiniões e vozes sejam garantidas.  

Segundo ela, ainda que a mídia tenha o dever constitucional de promover a cultura e o debate político, enquanto não criarmos mecanismos para promoção de espaços e meios que possam potencializar diálogos e discussões, uma democracia ativa e participativa estará comprometida no Brasil.

Em seguida, Renato Rovai abre sua intervenção apontando o papel da Revista Fórum com pautas avessas às da mídia tradicional de massa. Segundo ele é necessário questionar a produção jornalística da grande mídia visto que há uma conjunção de interesses que unifica a posição dos veículos. Ele ressalta que a mídia tem suas posições políticas dado que a construção de um veículo jornalístico se dá justamente para defender interesses, que dificilmente são os da população. Portanto, não se pode falar em mídia separada da influência e do poder político.

O jornalista endossa a importância da regulamentação da mídia, discussão levantada por Ana Mielke, e afirma que essa pauta é não raro conduzida como se tratasse do cerceamento da liberdade de informação, quando na verdade defende ele, se trata da regulamentação do acesso mais plural à vozes e posições, fortalecendo assim a democracia e enriquecendo o debate político.

Rovai também coloca em pauta a discussão sobre como a mídia seduziu uma grande parte da população ao fomentar a polarização na sociedade, e questiona qual o espaço hoje reservado para a internet nesse processo. Para ele apesar de massiva, a Globo e a mídia tradicional podem estar abrindo espaço para fontes de informação alternativas, sendo a posição que a própria Revista Fórum alcançou em relação a nomes jornalísticos de peso, um indicativo desse processo.

Finalizando a sessão dos comentários, Paulo Sérgio Pinheiro abriu sua exposição abordando de maneira incisiva os pontos debatidos por Mielke e Rovai, trazendo ainda reflexões sobre as causas sociais e políticas dentro do debate sobre a mídia.  Para ele, os governos falharam na construção de uma cultura democrática, e esta não irá se constituir plenamente enquanto houver desigualdades tão grandes em nosso país. Assim, ele sustenta que é incoerente discutir regulamentação da mídia enquanto a maior parte da população ainda sequer tem acesso a direitos básicos. O problema vai além do monopólio dos meios de comunicação, visto que existe uma falta democrática interna nos meios de comunicação e na cultura da sociedade em geral.

Segundo ele, a conjuntura em que estamos é uma crônica ensaiada de uma crise anunciada há tempos, e a falta de mobilização dos governos na pauta de regulamentação da mídia não ocorre justamente porque os governos não ousam desafiar os próprios aliados. Pinheiro finaliza sua exposição afirmando que o processo de impeachment é apenas um indicativo do que está por vir, se o mesmo for aprovado. A direita brasileira, para Pinheiro, vem se consolidando no cenário político há alguns anos e com o processo de impeachment consumado, o que se espera é uma onda conservadora muito grande com apoio de um parlamento reacionário.  

Na sequência das exposições, houve intensa mobilização da plateia lançando questões e reflexões pertinentes para os integrantes da mesa, enriquecendo ainda mais o debate.

Abaixo, confira as entrevistas realizadas pelos alunos do PET- RI da PUC-SP com os integrantes da mesa.  

Entrevista com Ana Claúdia Mielke

 

Entrevista com Renato Rovai

 

Entrevista com Paulo Sérgio Pinheiro

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s