Semana de RI: Relato da mesa “Rússia e seu entorno geopolítico”

 

Dando continuidade à programação da XII Semana de Relações Internacionais da PUC-SP, organizada pelo Centro Acadêmico Barão de Rio Branco, que tem como tema “marcos das Relações Internacionais. Soberania e Justiça na Configuração Global Contemporânea”. Na noite de quarta (10/09) os palestrantes convidados discorreram sobre a Rússia e seu entorno Geopolítico

 

A mesa foi mediada pelo professor da casa, Tomaz Paoliello, doutorando do programa de pós gradua20140910_191955ção Santiago Dantas e especialista em conflitos internacionais. Como palestrantes participaram o Prof. Dr. Ângelo Segrillo, que é professor de história contemporânea com ênfase em Ásia, na Universidade de São Paulo, tendo concluído seu mestrado no Instituto Pushkin de Moscou, sendo um especialista na Rússia e ex-URSS euroasiática e o Prof. Dr. Fabiano Mielniczuk, que teve como tese de mestrado a “Identidade como Fonte de Conflito: As relações entre Ucrânia e Rússia no pós-URSS”.

Primeiramente, o professor Ângelo apresentou elementos históricos essenciais, segundo ele, para a compreensão da atual conjuntura geopolítica da Rússia. Diferente do Brasil, a nacionalidade na região não é definida pelo Jus Soli, o lugar em que a pessoa nasce, mas pelo Jus Sanguinis, ou seja, a nacionalidade é definida pela ascendência do individuo. Fato que, segundo o historiador, pode gerar potenciais conflitos a exemplo do caso da Ucrânia, que tem uma população de 17% de russos. Outro ponto importante destacado por Ângelo é a tradição histórica russa de possuir um Estado forte e centralizador, desde os tempos do Czar até a URSS e agora também com Putin.

Fabiano Mielniczuk, sem desprezar os elementos históricos, procurou trazer o debate mais para o âmbito das análises da área de Relações Internacionais. Ressaltou o fato que, com a extinção da URSS, 25 milhões de russos passaram a condição de minoria em muitas das ex-repúblicas soviéticas. Mielniczuk fez uma crítica ao modo como a mídia e a academia ocidental lidam com o presidente russo Vladimir Putin e chamou atenção para a busca de fontes alternativas de informação.  De acordo com o especialista, a Ucrânia mantinha uma conduta pragmática tanto nas suas relações com a Rússia, país com o qual possui ligação histórica e é o seu principal parceiro comercial e fornecedor energético, quanto com a União Europeia, que com a crise econômica precisava diversificar e ampliar seus parceiros comerciais.20140910_191759

Com o decorrer do debate a discussão acabou convergindo para o conflito na Ucrânia e as forças envolvidas neste. Durante a década passada houve uma tentativa de aproximação com a União Europeia, mas devido às condições impostas, que eram prejudiciais ao país do leste europeu, as negociações não progrediram. Com a recusa por parte do presidente Yanukovich de assinar um acordo com a União Europeia e devido a um descontentamento por parte da população com seguidos governos corruptos eclodiu uma onda de manifestações no país que levaram a derrubada do governo e a ascensão de grupos extremistas. Na parte ocidental grupos de extrema direita ultranacionalistas querem um rompimento com a Rússia, são essas pessoas que compõem a Guarda Nacional, que luta contra o outro grupo extremista do país, de origem russa, que querem se separar do governo central de Kiev.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s